SANTOS DUMONT ENGLISH ASSESSMENT

O Santos Dumont English Assessment - SDEA é o exame desenvolvido pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) para verificar o nível de proficiência na língua inglesa de pilotos, conforme o disposto na regulamentação pertinente, qual seja, Anexo 1 da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) e RBAC 61.


Seguindo as diretrizes da OACI, o Santos Dumont English Assessment avalia a habilidade do candidato em falar e compreender a língua inglesa dentro de contextos relacionados ao trabalho. Incluem-se aí situações de rotina, imprevistas e de emergência, todas elas apropriadas ao contexto operacional, dando ao candidato oportunidade para mostrar sua capacidade de conduzir comunicações radiotelefônicas em língua inglesa de forma eficiente e segura.

 

Assim, em todas as partes do exame as questões são relacionadas ao universo da aviação civil, sendo que muitas aparecem contextualizadas por radiotelefonia e fraseologia padrão de tráfego aéreo. Apesar disso, a produção oral do candidato não será julgada de acordo com a precisão técnica ou operacional, já que o exame procura verificar sua proficiência linguística como um todo.


A escala de proficiência linguística e os descritores holísticos da OACI fundamentam a avaliação do desempenho do candidato.

 

A escala detalha as seis áreas da produção linguística: pronúncia, estrutura, vocabulário, fluência, compreensão e interações. Em cada uma dessas áreas, o formato atual do exame classifica o candidato em cinco níveis – de um a cinco. A nota final é igual à menor nota recebida nas seis áreas. Para ser autorizado a realizar voos internacionais, o piloto deverá obter, no mínimo nível final quatro – Operacional.


O resultado completo, com detalhes sobre o nível atingido pelo piloto em cada área avaliada, é divulgado para o candidato por e-mail pela ANAC, até 30 dias úteis após a realização do exame.

CRITÉRIOS AVALIADOS

As habilidades passíveis de avaliação são: pronúncia, estrutura gramatical, vocabulário, fluência, compreensão e interação. A avaliação é feita com base nos descritores holísticos e na escala de níveis de proficiência linguística determinada pela OACI.

 

O candidato pode apresentar 6 níveis de proficiência linguística em cada habilidade:

Expert (6) 

Avançado (5)

Operacional (4)

Pré-operacional (3)

Elementar (2) 

Pré-elementar (1)

 

A menor nota que atingir em qualquer das habilidades supramencionadas corresponderá à nota final. 


Para que o piloto seja autorizado a viajar internacionalmente, deverá atingir ao menos o nível operacional (4) como nota final.

PRAZOS E REAVALIÇÕES

Os pilotos que atingirem o nível operacional (4) deverão se submeter a um novo teste após um período de três anos.

 

Aqueles que atingirem o nível avançado (5), deverão se submeter a um novo teste após um período de seis anos.

 

Aqueles que forem reprovados (nível pré-operacional ou abaixo) poderão tentar novamente após 30 dias. 

Perguntas e Respostas mais comuns (ANAC)

PARCEIROS

INSTITUIÇÃO

ICAEA-logo-header.png
  • Facebook Social Icon
  • Instagram
  • Twitter Social Icon
  • LinkedIn Social Icon

Com mais de 10 anos de atuação no setor de ensino de línguas.

Especializada em inglês aplicado.

Cursos elaborados conforme a necessidade de cada cliente.

Colaboramos com projetos variados por todo o mundo desde entrevistas até simuladores de vôo.

whatsapp.png

INSTRUTOR

Aviação: ICAO 6 
PILOTO MLTE IFR PLA

INVA ANAC / FAA 

Ficha Técnica:

Formação completa EUA  (Inglês Nativo)

Bacharel Ciências Aeronáuticas

Pós-graduado em ensino de  língua Inglesa com ênfase em uso de novas tecnologias (Certificado pela BRIDGE)

Google Certified Educator

Cambridge Proficiency Exam (CPE), TOEIC, CPL ,TOEFL.

Copyright © 2020 ViP Systems ltd. Todos os direitos reservados. É expressamente proibido a cópia total ou parcial de qualquer parte deste  conteúdo, bem como o uso em sala de aula de material reproduzido sem o consentimento do autor ou editor da obra, estando o infrator sujeito às penalidades previstas em Lei. Lei do Direito Autoral, LEI Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998.